Resenha: A geografia de nós dois - Jennifer E. Smith

quinta-feira, fevereiro 09, 2017

A Geografia de nós Dois | Autora: Jennifer E. Smith | Editora: Galera Record | Páginas: 272 | Ano: 2016 | Adicione no Skoob

A Geografia de Nós Dois conta a história de Lucy Patterson e Owen Buckley, que se conhecem numa ocasião um pouco diferente. Eles moram em Nova York, e o dia é um dos mais quentes da história e, por conta disso, a cidade inteira acaba sofrendo um blecaute e os dois ficam presos no elevador de seu prédio.

Eles não têm nada em comum, e nunca haviam sequer se falado. Lucy mora no 24º andar, e Owen, no subsolo, já que seu pai é administrador do prédio. Mas são durante algumas horas em que ficam presos naquela pequena caixa, não lhe restam outra opção a não ser trocar algumas palavras para tentar fazer o tempo correr mais rápido.

Lucy sempre foi uma criança e adolescente sozinha. Seus irmãos já eram adultos e haviam se mudado para outro país e seus pais, apesar de a amarem, passavam mais tempo viajando pelo mundo, do que ficando ao lado da garota. Mas Lucy nunca reclamou de sua vida, apesar de desejar um pouco mais de afeto de sua família. Já Owen, havia se mudado para o prédio no mês anterior, quando seu pai recebeu a oferta de emprego em Nova York, e decidiram se mudar após a morte de sua mãe.

O que os dois nunca imaginariam, é que apenas uma noite sem energia, pudesse mudar tanta coisa.


"Quanto tempo se pode de fato esperar que uma única noite dure? Até que ponto se pode esticar um conjunto tão pequeno de minutos? Ele era apenas um garoto no terraço. Ela era apenas uma garota em um elevador. Talvez tenha sido o fim."

E é no dia seguinte que os caminhos dos dois começam a se separar. O pai de Lucy recebe uma proposta de emprego em Londres e como ela quer ter mais contato com os pais, decide se mudar com eles. E Owen também decide fazer uma viagem pelo país com seu pai, para ver se os dois finalmente conseguem superar a morte da mãe de Owen e deixar o passado para trás. 

A única coisa que une Owen e Lucy são cartões postais das cidades por onde passam que os dois trocam na esperança de não deixar, seja lá o que eles têm, morrer junto com a distância. Afinal, eles não conseguem esquecer um do outro.  

"Se traçassem um mapa dos dois, de onde tinham começado e de onde terminariam, as linhas seguiriam para longe uma da outra como imãs de polos opostos." 

A narrativa é em terceira pessoa e os capítulos são intercalados entre os dois, e desse jeito podemos ter uma ampla visão dos seus sentimentos, decisões e pensamentos. Os capítulos não são grandes, o que faz a história fluir muito mais rápido e o livro fica mais dinâmico. 

Apesar de passarem poucas horas juntos, a forma como um mexe com o outro é muito intensa e a dificuldade de se encontrarem deixa a história ainda mais cheia de emoção e expectativa pela parte dos leitores. O romance aparece de forma bem sutil, e é isso que eu aprecio na escrita da Jennifer, sua forma de escrever uma história real de forma tão simples. 


Um outro ponto que eu gostei bastante é como a autora aborda as relações familiares dos protagonistas. Lucy é uma garota sozinha, que está tentando se aproximar mais de seus pais, e Owen é o menino que precisa apoiar o pai, após a morte da esposa, e sua mãe. É bem importante ver eles construindo esses laços com os pais e eu adorei cada cena!

É um romance adolescente sobre mudanças, escolhas, adaptações, com uma escrita muito leve e gostosa. Assim como em A probabilidade estatística do amor à primeira vista, Jennifer E. Smith me conquistou com sua escrita delicada. É muito bom acompanhar a história de amor e a vontade de ficarem juntos de Lucy e Owen. Vale a pena a leitura!

Nota: 💗💗💗💗💗

Gostaram da resenha?
Me contem o que acharam e se já leram!

Beijos!

Leia esses também

2 comentários

Seguidores